Total de visualizações de página

sexta-feira, 17 de março de 2017

Nota Oficial da CNTA sobre a operação CARNE FRACA


Nota Oficial da CNTA




A Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins) representante de 110 mil trabalhadores da BRF (Sadia, Perdigão e Qualy) e de 130 mil trabalhadores da JBS (Seara e Friboi), vem por meio desta, manifestar sua preocupação com os resultados da operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal.

Os fatos resultantes da referida investigação sobre esquema de propina de empresários ao Ministério da Pesca e Agricultura, e quanto à venda de carnes impróprias para o consumo são lamentáveis. Saber que empresas líderes de mercado e com forte atuação no exterior são protagonistas de uma prática perversa que coloca em xeque a saúde humana em detrimento da ganância nos causa indignação. 

Este tipo de prática ilícita e antiética não é diferente para com os trabalhadores que, por muitas vezes, são submetidos a pressões psicológicas e ritmos frenéticos de trabalho, com grande número de adoecimentos e acidentes, em detrimento do lucro da empresa. O possível envolvimento do governo neste esquema nos traz insegurança e falta de credibilidade quanto a outros tipos de fiscalizações muito importante para nós, como as do Ministério do Trabalho, órgão sucateado há muitos governos. Na categoria da Alimentação, o setor que lidera o número de acidentes de trabalho é o de frigoríficos. Entre 2012 e 2014, o número de acidentes de trabalho cresceu de 18.226 em 2012 para 19.821 em 2014 (alta de 8,7%).

Temos cobrado constantemente dos órgãos competentes a fiscalização das condições de trabalho, que são muito difíceis de acontecer pelo fato de o Ministério do Trabalho alegar não ter estrutura para atender a demanda necessária para que trabalhadores possam desempenhar suas funções com saúde e segurança. Então, nosso manifesto não só aborda a preocupação com o que é repassado aos consumidores, mas também aos trabalhadores, que estão expostos diretamente às consequências da busca pelo lucro a qualquer preço, evidenciadas nesta operação.

Para finalizar, acreditamos que o melhor combate a esse tipo de procedimento é a transparência e a fiscalização eficiente, com investimento de estrutura por parte dos órgãos competentes.


Artur Bueno de Camargo
Presidente da CNTA Afins


Assessoria de imprensa
(61) 981773832
imprensa@cntaafins.org.br

quarta-feira, 15 de março de 2017

Nova manifestação contra a BRF tem bloqueio de rodovia em São Paulo

Nova manifestação contra a BRF tem bloqueio de rodovia em São Paulo

Em reivindicação ao pagamento da PLR, sindicalistas que representam 110 mil trabalhadores da BRF no Brasil queimaram pneus e bloquearam a Régis Bittencourt (BR 116) por aproximadamente meia hora como forma de dar visibilidade à luta da categoria


 


Novo ato contra a detentora das marcas Sadia, Perdigão e Qualy ocorreu na manhã dessa quarta (15/3), no Centro de Distribuição da BRF, em Embu (SP). Com apoio da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins), a manifestação foi motivada pela recusa de diálogo por parte da empresa nessa terça (14/3), durante o primeiro ato, em Jaguaré (SP). A BRF anunciou o não pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) aos trabalhadores esse mês, alegando prejuízos e "não obrigação". Novas ações poderão acontecer nos próximos dias e que uma greve geral não está descartada.

De acordo com o vice-presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo Júnior, a BRF continua resistente em receber os representantes sindicais para a busca de soluções. Júnior destaca que as metas foram cumpridas pelos trabalhadores que receberam, inclusive, camisetas da empresa com afirmações sobre os resultados alcançados, como com os dizeres “Missão Dada Missão Cumprida”. Uma nova reunião com as entidades sindicais que representam os trabalhadores está prevista para a próxima semana e tem o objetivo de avaliar os atos realizados, além de novas ações. Segundo levantamento recente do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a receita líquida da BRF, em 2016, totalizou R$ 33,7 bilhões, 4,8% a mais do que em 2015.

"Na manifestação de hoje, os trabalhadores decidiram paralisar a rodovia Régis Bittencourt para chamar a atenção da sociedade sobre o que este grande grupo está fazendo com seus trabalhadores. E este não é qualquer grupo, é uma empresa que exporta milhões e, inclusive, investe na ampliação de unidades no exterior. E as manifestações continuarão nas unidades de produção, caso a empresa não reveja sua postura intransigente", afirma.

Em vídeo recente gravado pelo CEO da BRF, Pedro Faria, a empresa afirma que a "PLR não é uma obrigação da companhia para com seus funcionários". “Eu assumo integralmente a responsabilidade por esses resultados, como o líder maior da organização", diz outro trecho, repercutido negativamente entre os trabalhadores, que também se manifestam e fazem graves denúncias à BRF pelas mídias sociais, por meio da página do facebook “Trabalhadores da BRF Brasil”.

Denúncias dos trabalhadores no facebook:

Assista ao vídeo de pronunciamento da CNTA:

Confira o levantamento do DIEESE:

Entenda o caso:

terça-feira, 14 de março de 2017

BRF se recusa a dialogar com trabalhadores

BRF se recusa a dialogar com trabalhadores

Apesar de afirmar estar “disposta a dialogar com sindicatos e entidades representativas”, dona das marcas Sadia, Perdigão e Qualy se recusou a receber documento unificado e representantes sindicais em manifestação dessa terça





Entidades sindicais que representam 110 mil trabalhadores da BRF no Brasil fizeram uma manifestação em frente à sede da empresa, na manhã dessa terça (14/3), em São Paulo (SP). Com carros de som, faixas e gritos de ordem, cerca de 150 dirigentes de sindicatos, federações, confederações e centrais sindicais cobraram o pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR), referente a 2016. Na ocasião, a BRF se recusou a receber ofício assinado pelos organizadores do ato: a Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins) e a Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação da CUT (Contac). Uma nova manifestação está prevista para esta quarta (15/3), no Centro de Distribuição da BRF, em Embu (SP). Categoria não descarta a possibilidade de greve geral nos próximos dias.

De acordo com o presidente da CNTA Afins, Artur Bueno de Camargo, “já era se esperar esta postura da BRF”, tendo em vista as dificuldades enfrentadas pelas entidades sindicais nas negociações do ano passado. Segundo a confederação, que encabeçou o movimento após reunião nacional no dia 8 de março, há a possibilidade de greve geral, caso a BRF não reveja seu posicionamento.  Segundo levantamento recente do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), a receita líquida da empresa, em 2016, totalizou R$ 33,7 bilhões, 4,8% a mais do que em 2015.

“Se tratando da direção da BRF, já temos exemplos de sobra sobre a falta de diálogo, como quando a BRF também se recusou a dialogar com representantes sindicais mesmo durante uma greve de trabalhadores do Paraná, no ano passado. Lamentamos termos de enfrentar tamanha resistência, até porque, principalmente, na atual circunstância, nós entendemos que é através do diálogo que podemos construir alternativas que possam atender as necessidades dos trabalhadores.”, avalia Bueno.

Entenda o caso
No início de março, a BRF comunicou que não irá pagar a PLR aos trabalhadores (referente a 2016) sob a alegação de prejuízos causados por falhas de gestão e “cenário (econômico) difícil”. Em vídeo recente gravado pelo CEO da empresa, Pedro Faria, a BRF afirma que a "PLR não é uma obrigação da companhia para com seus funcionários". “Eu assumo integralmente a responsabilidade por esses resultados, como o líder maior da organização", diz outro trecho, repercutido negativamente entre os trabalhadores, que também se manifestam e fazem graves denúncias à BRF pelas mídias sociais, como na página do facebook “Trabalhadores da BRF Brasil”.
“A partir do momento em que a BRF implantou o processo da PLR e os trabalhadores cumpriram com suas metas, ela tem, sim, que pagar o atingimento das metas. Quem está deixando de cumprir com o seu dever é a empresa. Se a BRF não atingiu a meta dos lucros pretendidos por ela, isto é um problema de gestão. E se os gestores erraram e, inclusive, assumiram publicamente, não serão os trabalhadores quem arcarão com as consequências”, afirma a CNTA, que critica os investimentos milionários da BRF na expansão de suas unidades no exterior ao longo de 2016.


Assista ao vídeo de pronunciamento da CNTA:


Denúncias dos trabalhadores no facebook:

Confira o levantamento do DIEESE:

Entenda o caso:




Assessoria de imprensa da CNTA Afins
(61) 3242-6171 / (61) 9 8177-3832 
imprensa@cntaafins.org.br

quinta-feira, 9 de março de 2017

Trabalhadores da BRF ameaçam greve geral por PLR

Trabalhadores da BRF ameaçam greve geral por PLR

Levantamento do DIEESE aponta que a receita líquida da empresa, em 2016,
totalizou R$ 33,7 bilhões, ou seja: 4,8% a mais do que em 2015




Em reunião nacional realizada nessa quarta (8/3), em São Paulo (SP), representantes dos trabalhadores da BRF decidiram não aceitar a falta de pagamento da PLR, referente ao ano de 2016. Na ocasião, a categoria também decidiu fazer uma manifestação na sede da BRF, em São Paulo (SP), na próxima terça (14/3). O encontro foi promovido pela Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA), que representa aproximadamente 110 mil trabalhadores da BRF no País.

“Nós convidamos todos os dirigentes sindicais e trabalhadores para estarem conosco nesta manifestação.”, convoca o presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo.

“Queremos dizer a todos os trabalhadores que não desistam porque se a BRF não mudar de posicionamento, faremos uma greve geral, parando todas as unidades da BRF no Brasil.

Não vamos aceitar esta imposição da empresa, de querer jogar esta responsabilidade (pelo prejuízo em 2016) nas costas dos trabalhadores, quando os culpados são os próprios donos da BRF.”, afirma.


Assista ao vídeo de pronunciamento da CNTA:
https://youtu.be/1UgH4QGwJt0






Confira o levantamento do DIEESE:
http://tinyurl.com/hdmjkd7


Entenda o caso:
http://tinyurl.com/js5vmhl


Assessora de imprensa da CNTA Afins
Clarice Gulyas

(61) 3242-6171 / (61) 9 8177-3832 whatsapp
imprensa@cntaafins.org.br

quarta-feira, 8 de março de 2017

Dia da Mulher: Paulla & Paolla comemoram espaço feminino no Sertanejo

Dia da Mulher: Paulla & Paolla comemoram espaço
feminino no Sertanejo

"Esse momento da mulher em destaque na música sertaneja demorou, mas chegou”, afirma dupla de destaque do DF



A invasão das mulheres no sertanejo virou tendência. Nomes, como Marília Mendonça, Maiara & Maraísa e Naiara Azevedo não só transformaram o estilo, como tem liderado as paradas de sucesso do País. No Distrito Federal não é diferente. Com músicas autorais e exclusivas, a dupla Paulla & Paolla tem se consolidado no Centro-Oeste, com promessas de shows no Goiás, Ceará e Pará ainda este ano. Na próxima terça (14/3), as loiras irão lançar seu primeiro clipe, com a nova música de trabalho: Ou Ela ou Eu, gravado durante o Carnaval.

Assim como suas inspirações nacionais, Paulla & Paolla exploram em suas músicas assuntos do universo feminino, como amor, bebedeira, sofrência e traição.  A atitude nos palcos, à exemplo do “Momento das Poderosas” em seus shows, é um diferencial das loiras, que aproveitam o palco para incentivar o empoderamento feminino.

"A mulher no sertanejo não é novidade, tendo em vista Roberta Miranda e as Irmãs Galvão, por exemplo. Mas as letras esculachadas e a aceitação do público, sim. Hoje os tempos são outros, estamos com a vez e com a voz. A modernidade nos trouxe a coragem para expressar o que realmente sentimos e o que somos. Nós também bebemos, devolvemos o chifre, tomamos porre nos bares e nos decepcionamos com traições e términos de relacionamento", comenta Paulla.

Mas nem tudo são flores. Situações de machismo e assédio dentro e fora dos palcos existem e vêm camuflados de "convites" para "entrevistas" e promessas de "shows". Nesse sentido, as cantoras e compositoras destacam a importância do Dia Internacional da Mulher.

"Esse momento da mulher em destaque na música sertaneja demorou, mas chegou. E o mais importante é não deixarmos isto acabar. Esta é uma data para comemorarmos muitas conquistas, mas, principalmente, cobrar respeito e propor uma reflexão sobre o que ainda está errado. Queremos ter orgulho da nossa independência e estar em topos tão altos quanto os dos homens, não importa a situação ou cargo exigido.", afirma Paolla.

Prestígio Fenomenal

Durante passagem por Brasília com Wesley Safadão, em feverero, a cantora Márcia Fellipe, conhecida como “A Fenomenal” no Nordeste, gravou um vídeo especial para a dupla Paulla & Paolla, após descobrir que as cantoras têm introduzido suas músicas na Capital. Sucessos, como Aqui ó Pro Meu Ex e Agora é Pra Valer contemplam o repertório atual das divas do DF.

"Paulla & Paolla, aqui é Márcia Fellipe passando para deixar um beijo grande para vocês. Que o Senhor abençoe (vocês) com muita saúde e sabedoria para trilhar essa caminhada. Estou sabendo que vocês tocam todas da Márcia Fellipe nesse repertório. Obrigada de coração. Beijo grande", disse a “Wesley Safadão de Saias”.

Na ocasião, Paulla & Paolla falaram da admiração por Márcia Fellipe. E destacaram que desde o primeiro show da dupla, em maio de 2016, as músicas da ídola têm feito parte dos repertórios de seus shows.

"Nem acreditamos! Achamos a Márcia Fellipe o máximo e a temos como uma de nossas maiores inspirações. Acho que ela nem imaginava que aqui em Brasília já cantavam músicas dela, né? Ela é muito linda e talentosa, agradecemos muito o reconhecimento e essa força especial", comemoram.



Assessoria de Imprensa
Clarice Gulyas
(61) 98177-3832 TIM/ Whatsapp
claricegulyas@gmail.com (Gtalk)
Registro profissional: 9520 - DRT/DF



terça-feira, 7 de março de 2017

Trabalhadores da BRF não pagarão por má gestão

Trabalhadores da BRF não pagarão por má gestão

Com 100 mil trabalhadores no País, a BRF anunciou recentemente o "ajuste" de seu modelo de gestão para corrigir "erros" que resultaram no prejuízo líquido de R$ 460 milhões no quarto trimestre de 2016



A Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins) irá realizar na próxima quarta (8/3), encontro nacional dos trabalhadores da BRF, em São Paulo (SP). O evento irá reunir representantes de sindicatos e federações para discutir problemas e necessidades da categoria, com posicionamento unificado para as negociações coletivas de trabalho, com data base a partir de março. Uma das maiores preocupações da categoria é o programa de Participação nos Lucros e Resultados (PLR), anunciado pela gigante de alimentos, em alguns Estados, de que será zero este ano. Na ocasião, a subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) na CNTA apresentará uma pesquisa sobre a evolução da PRL na BRF, nos últimos anos. 

O presidente da CNTA, Artur Bueno de Camargo, denuncia ameaças da empresa aos sindicatos e, principalmente, aos trabalhadores quanto a PLR neste ano, com a justificativa de dificuldades econômicas. 

“Isso tem causado uma revolta muito grande dos trabalhadores em diversas unidades, inclusive, em Lucas do Rio Verde (MT), onde houve recentemente uma paralisação parcial dos trabalhadores. A questão é que durante todo o período de avaliação para o pagamento da PLR, a empresa nunca informou aos trabalhadores esta posição, então, eles se empenharam para atingir as metas. É importante dizer que os trabalhadores não participam da gestão da BRF, portanto, quem tem que pagar pelos erros da má gestão da empresa são os donos da BRF, que sempre tiveram altos lucros e resultados. E não os trabalhadores”, afirma.


Serviço:
Data: 8 de março de 2017 (quarta)
Hora: 14h
Local: sede da Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação do Estado de São Paulo
Endereço: Rua Conselheiro Furtado nº 987, bairro Aclimação – São Paulo (SP)
Mais informações: (11) 3105 1643 cntasp@cntaafins.org.br


Confira o último estudo do DIESSE aqui:
http://tinyurl.com/zuaaqyg


Assessoria de imprensa da CNTA:
Clarice Gulyas
(61) 3242-6171 / 9 8177-3832
imprensa@cntaafins.org.br







segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Categoria profissional da Alimentação reage às reformas do Governo


Categoria profissional da Alimentação reage às reformas do Governo

Sob coordenação da CNTA, federações e sindicatos participam de encontros estaduais e se preparam para manifestações em todo o País




A Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA) realizou nessa segunda (06/2), em conjunto com a Federação dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação do Estado de Minas Gerais, encontro estadual que reuniu aproximadamente 20 entidades sindicais em Belo Horizonte (BH). O evento teve como objetivo discutir formas de mobilização e resistência contra a reforma da Previdência (PEC 287/16) e a reforma trabalhista (PL 6787/16), com votações previstas para o primeiro semestre desse ano. As resoluções serão encaminhadas ao Fórum Sindical dos Trabalhadores (FST) para a tomada de ação unitária que envolve pelo menos 18 confederações de categorias profissionais diferentes.

O presidente da CNTA e coordenador-geral do FST, Artur Bueno de Camargo, critica o falso argumento de “modernização” e campanhas agressivas adotadas pelo Governo com a intenção de aprovar reformas prejudiciais à sociedade e à classe trabalhadora. Segundo ele, a ideia é que todas as categorias se organizem para tomar as ruas com protestos pacíficos e sem posicionamento partidário.

"Na reunião de hoje, as entidades da categoria profissional da Alimentação decidiram convocar sindicatos e federações das demais categorias de Minas Gerais para um encontro estadual previsto para o dia 21 de fevereiro. Queremos demonstrar a nossa insatisfação aos parlamentares e denunciar as votações a favor dessas reformas nas bases eleitorais de cada um deles", afirma.

Na última sexta (03/02), o FST esteve em Limeira (SP) para se reunir com sindicatos e federações de diversas categorias profissionais. Na ocasião, foi criada a Frente Sindical em Defesa dos Direitos Previdenciários, Trabalhistas e Sociais. Na próxima quarta (15/02), a categoria da Alimentação irá se reunir em São Paulo para mais um encontro estadual, com participação do FST.

“As entidades interessadas em fazer parte deste movimento podem convocar o FST para que possamos buscar uma integração entre as categorias de trabalhadores e, assim, fazer uma luta de classe”, incentiva.

Fotos / Encontro em Limeira (SP) – via Dropbox

Fotos: presidente da CNTA / FST


Assessoria de Imprensa
Clarice Gulyas
(61) 98177-3832 TIM/ Whatsapp
claricegulyas@gmail.com (Gtalk)
Registro profissional: 9520 - DRT/DF